Eucaliptos;

O céu estava bem claro, o sol latente sobre a cabeça dos transeuntes e eu divagava em milhares de sensações presentes em mim. O ônibus deslizava rapidamente pela rodovia, eu lia – como de costume – um livro de meu autor preferido que me faz pensar em você. Sim. Talvez por ele ser tão inconstante, medroso e por falar de amor apenas em letras. Assim como eu o faço.

E então eu avistei ao longe uma fileira indiana de eucaliptos, e me dei conta de que eu penso em você todas as vezes que eu os olho. Não. Você não parece um eucalipto – me escute. É que quando eu era criança achava-os tão majestosos, imponentes e costumava deitar sob a sua sombra, achava uma delícia, amava aquela sensação. A mesma que sinto quando eu penso em você, sabe?

Então, eu fiquei imaginando o que você pensa quando os vê também. Sim. No caminho de sua casa. Você já observou que fazemos a mesma trajetória em direção a nossas casas? Exceto por você ir para outra direção, entrar em outra curva. Assim, como acontece com a gente. Sempre caminhamos em direções opostas, infelizmente. Queria saber se será sempre assim, se não mudará. Você poderia me responder?

Olhe pra mim, por favor. Seus pés são mais interessantes do que o meu rosto? Tudo bem. Não precisa olhar para mim - Pare. Não enxugue as minhas lágrimas, eu gosto dela. Do sabor delas. Elas me dizem que você é real em mim. Então não as tire de mim, por favor.

Sabe, essas coisas que tento te dizer não se dizem costumeiramente. E eu reconheço que vivo falando por metáforas, mas você não me ajuda também. Essas analogias que eu crio para te levar a entender o que se passa dentro de mim é chato. Eu sei. Mas me cale a próxima vez que eu tentar falar dessa forma, não sei. Encoste-me na parede. Não, não faça isso.

Tudo bem então. Esqueça tudo o que eu disse. Que tal falarmos de música, literatura – tudo bem sei que não gosta dos meus livros, mas podemos falar sobre O grande sertão veredas. Ta, confesso, eu não li. Mas você podia fazer uma resenha pra mim, né? Eu só escutaria. Sabia que Plutão deixou de ser planeta? É, verdade. Já tem quase um ano.

Só me fale alguma besteira, para romper esse silêncio em nós.

Tags:

Compar:

30 comentários

  1. Adorei *-*
    Eucaliptos são muito majestosos mesmo.

    bjus ;*

    ResponderExcluir
  2. "eu tô pedindo a sua mão...me leve para qualquer lado. Só um pouquinho de proteção ao maior abandonado!"

    Pois é, por aqui os caminhos são iguais, mas são os horários e tempos de vida que não batem!

    :)

    Mas há de dar certo,de alguma forma!
    beijos, lindissima!

    ResponderExcluir
  3. Conversem, acho que as vezes é bom ir para lados opostos, o igual enjooa rápido!

    Beijo flor.

    ResponderExcluir
  4. Admiro esses textos detalhistas sabe?Que você se sente como se estivesse la na cena.
    E somos duas que odiamos esses anônimos ><

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto muito desses seus textos-conversa. Esses monólogos de alguém que ama muito para alguém que é muito amado. Só queria que o "muito amado" desse valor a tanto amor. Amor se perde em toda esquina, mas nunca conheci alguém que o tivesse encontrado em uma, jogado por aí.

    ResponderExcluir
  6. Muito agradável seu texto. Hum... muito bom o sutil toque de humor, no evoluir de uma quase inocência sentimental...

    xD

    :-P

    gostei.

    ResponderExcluir
  7. O final foi ótimo. Me lembrou uma menina que conheço muito bem.
    A arte de mudar de assunto, de tentar ter assunto.. LINDÃO.

    ResponderExcluir
  8. Eu também Natália. Queria que o muito 'amado' recebesse esse meu 'muito amor' de bom grado.
    Mas há tempo para tudo, né? E talvez, eu encontre alguém que queira tudo o que ele não quer.
    Só questão de tempo. De abrir os olhos =D

    ResponderExcluir
  9. Majestosas palavras, isso sim.
    Adoro a maneira como vc vai desenrolando o texto, e faz isso de um jeito que me prende.

    Beijo-beijo

    ResponderExcluir
  10. É um monólogo lindo, infelizmente a conversa não penetre no coração do "amado".


    Nota: Não fiquei com vergonha de comentar meus poemas "éroticos". São suave com pétalas de flor.

    ResponderExcluir
  11. você me parece tão triste ultimamente, espero que suas lágrimas sequem logo.. torço por você ! um bj

    e parabéns, belissimo texto

    ResponderExcluir
  12. E o aroma de eucalipto está no ar e assim respiras. E se em tudo o que vês, sentes e respiras está quem tu amas, onde estavas tu neste ônibus a ler?

    Você escreve com muitas imagens são bastante sinestésicos os teus textos.

    Gosto disto.

    Abraços e, novamente, obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  13. Menina,

    Eu te falaria todas as coisas que quisesse se me desse a oportunidade. De qualquer forma sortudo ele por ter teu coração. Ou tolo por não saber o que fazer.

    ResponderExcluir
  14. "Só me fale alguma besteira, para romper esse silêncio em nós"

    Silêncio que grita angústia.
    Sei bem como é...

    Lindo!

    ResponderExcluir
  15. 'Sabe, essas coisas que tento te dizer não se dizem costumeiramente. E eu reconheço que vivo falando por metáforas, mas você não me ajuda também. Essas analogias que eu crio para te levar a entender o que se passa dentro de mim é chato. Eu sei. Mas me cale a próxima vez que eu tentar falar dessa forma, não sei. Encoste-me na parede. Não, não faça isso.'

    Céus, eu nunca vou saber explicar como eu me encontrei nesse trecho.

    ResponderExcluir
  16. também sou vitima das palavras, sinto como se elas fossem a unica forma de amar, desepção

    ResponderExcluir
  17. Meu comentário lhe serviu de inspiração para um texto? Que honra! De verdade!
    Eu vou esperar ansiosamente para ler amanhã, apesar de saber que qualquer coisa que você escreve termina em poesia. *-*

    Beijos Pâmela!

    ResponderExcluir
  18. Bonito!

    Ela tem tanto amor para dar à ele.
    Pode ser falta de jeito dele, mas ela fala tanto, como se quizesse tocá-lo a todo momento.

    Beijo, Pâm!

    ResponderExcluir
  19. o vejo em todos os lugares. inclusive no nosso silêncio.

    teu texto me compreende, tuas palavras me traduziram.
    muito bom.

    ResponderExcluir
  20. Todos os teus textos me fazem chorar,é desconcertante.
    Você consegue traduzir meus sentimentos com as palavras.
    Amo seus textos!
    Beijos,
    ;**

    ResponderExcluir
  21. O cheiro de eucalipto parece que limpa a minha mente por completo e me permite pensar em tudo. Até no amor.

    ResponderExcluir
  22. Amo eucaliptos *-*
    A sombra, o cheiro. Ele é forte, só sabe crescer e render vida.
    É. Muito lindo seu texto *-*

    Obrigada pela visita. Beijos

    ResponderExcluir
  23. Olá, Pâmela,

    As metáforas são a ponte entre a razão e a sensação. É o veículo que nos traz à realidade prazerosa.

    O interlocutor deve entender, né?

    Beijos e ótima quarta-feira pra você.

    ResponderExcluir
  24. Ignore o silêncio.

    O som da palavra virá na hora certa, eu aposto :D

    ResponderExcluir
  25. Nossaa. sempre me surpreendendo
    o/
    Lindíssimo sim!
    E obrigada pela visita flor
    volte sempre e sempre ♥
    Bjs

    ResponderExcluir
  26. Se ele não vê ou não quer sempre terá alguém disposto a tentar.
    Eu tentaria moça bonita :*

    ResponderExcluir
  27. que delícia de texto!!!
    Pâmela,
    primeiramente, obrigada pela valiosa visita.
    fico feliz q esta rede 'blogspotiana' tenha me proporcionado muitas e boas descobertas.
    tão confortante descobrir q, em meio a tantas banalidades, tb há as pérolas...
    felizes encontros!

    um beijo
    visitemo-nos! mas perdoe-me, sempre, a defasada frequência... tenho vertigem pelas coisas boas; qro todas e acabo não tendo tempo para todas... "/

    ResponderExcluir
  28. Sua cara esse texto Pam...*-*
    Liindo como sempre...

    ResponderExcluir