Não te amo;

10:15

“O meu comportamento egoísta, o seu temperamento difícil. Você me achava meio esquisito, e eu te achava tão chata.”
Há 8 anos nós estávamos sentados na sua varanda, ouvindo Relicário, eu cantava e você tentava. Devo confessar, meu bem, só te ouvia porque eu te amava. E lá estávamos nós discutindo sobre uma possível família, no futuro, onde teríamos alguns filhos e nada de animais, apesar de você relutar. E era tão engraçado e bom planejar o futuro contigo, desenhar a casa, pensar se nossos filhos teriam os teus olhos verdes, se as meninas teriam cabelos encaracolados como os meus. E você me cantava: “debaixo dos caracóis, dos teus cabelos.” E eu ria. A tua voz desafinada, mas com o carinho imenso. Você me era tão bonito.

E hoje eu lembrei de todas as nossas desavenças quando não éramos namorados, de levar bandão no futebol contigo, de você roubar sempre, de você me derrubar e dizer: você sem querer. E de saber que naquele futebol eu haveria de me apaixonar por você. E assim foi, tão recíproco no início, mas não tão sincero. De tua parte. E eu me entregava, me doava, e você aceitava apenas. Ciúme doentio o meu. E você me atazanava. E as nossas brigas eram tão constantes, mas logo se acalmava com um beijo, toque. Você era tão irresistível, que eu pensava: “U-A-U. O coração desse menino é meu.”

Mas as coisas foram mudando, éramos tão jovens, você não conseguia lidar com nosso relacionamento e com os teus amigos, eles eram todos solteiros e você me deixava esperando. A gente já não se amava tanto, e eu era dura. Maltratava-te demais. E você me apertava o braço com os olhos cheios, transbordando, dizendo que ia mudar, mas não mudava. Eu te quis tanto, quis que você fosse realmente meu marido como a gente pensava, mas você não mudava. Não mudava.

E sexta eu te vi, com o mesmo sorriso menino de antigamente, jeito malandro de ser. Você me abraçou e disse que eu estava como você se lembrava, que meu cheiro era o mesmo:doce, e que tinha saudades de mim. Eu ri. E não quis pensar em nossas brigas, nas horas que você me fez chorar, pelos 5 anos que eu sofri calada esperando pelo reencontro, por voltarmos depois desses 5 anos e eu dizer: “acho que não gosto mais de você, era só sentimento de posse.” E te doer com isso. Eu quis simplesmente te abraçar, sabe? Continuar dançando com você ali. Porque eu amei você, você me feliz. E acredito que a gente deu certo, que foi bom. Acabou, mas você ainda vive em mim. Sabe?

Eu te amo. Mas amor diferente, não mais aquele que a gente sonhava. Aquele que eu te quero bem, pela eternidade.

Você também pode gostar

9 comentários

  1. Acredito que a postagem coletiva tenha dado certo. Rendeu bons textos, alguns suspiros (ai, ai). Então, quero propor uma nova postagem coletiva. Para quarta-feira. E estou avisando com antecedência para que todos nós postemos juntos.
    O tema é: Kiss me.
    Baseada na música da banda Sixpence None the Richer. Sempre achei essa música linda e acho que poderíamos tirar um proveito enorme dela. Aguardo contato com a confirmação da postagem.

    adm.pamelamarques@gmail.com
    Se quiserem podem me add no Gtalk. Passo o dia inteiro online.

    E avisem também que a postagem é livre, quem quiser pode entrar na brincadeira.

    Beijo doce :*

    O texto deve ter o título Beije-me começar ou terminar com a seguinte estrofe da música:
    Beije-me sob o crepúsculo. Leve-me pra fora, no chão iluminado pela lua.
    Levante sua mão aberta, faça a banda tocar e faça os vaga-lumes dançarem. A lua prateada está brilhando, então me beije."

    ResponderExcluir
  2. Já quis alguém para ser meu marido. E assim como o seu menino, as coisas mudaram e fomos cada um para um lado. Mas não pretendo abraçá-lo se por acaso o encontrar por aí. Sei lá... as coisas ainda doem um pouco e eu não me curei totalmente delas.

    ResponderExcluir
  3. Nunca quis ninguém para ser meu marido. Mas entendo como é péssimo esperar que a pessoa mude e se transforme em alguém melhor em vão. Esperei por essa mudança por um bom tempo, até cansar. E não tenho vontade de abraça-lo, para mim a presença dele é dispensável e indiferente.

    ResponderExcluir
  4. Toda menina apaixonada sonha que seu amado será seu marido,isso é tão bom...rs
    Amei o texto *-*

    ResponderExcluir
  5. Certos amores sempre serão eternos, tal como esse que tu, magnificamente, descreveu. Ainda que não amante-mulher, mas amigo-mulher.

    Bonito.

    Li sobre o desafio, posso participar?

    ResponderExcluir
  6. Tenho antigos amores, e esses antigos amores, pra alguns deles eu leria esse texto.
    Penso - sinto exatamente o que escreveu.. E o amor é eterno, mesmo que de forma diferente.


    Bonito!

    ResponderExcluir
  7. Isso é mais comum do que eu supunha...
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  8. Que fofow!

    Sabe pensar no futuro, imaginá-lo em toda sua essência, é complicado, é difícil e muitas vezes decepciona. Por isso eu vou vivendo de presente, só com a certeza do passado!
    \o/

    Charlie B.

    ResponderExcluir

@eupamelamarques

FANPAGE

DIREITOS AUTORAIS

Todos os textos publicados aqui neste blog são de minha autoria ou de autores convidados. As fotos e gifs foram retiradas de sites como Pinterest e Tumblr, sendo assim, para de fim direitos autorais, declaro que as imagens NÃO pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente comigo por meio do e-mail: adm.pamelamarques@gmail.com. Eu darei os devidos os devidos créditos.