Das parcerias.

Minha dor.

13:46








Em parceria com a doce, Brenda Matos.




Por que o teu nome me escorre doce pelos lábios? Eu fico me perguntando se não existe um motivo maior além do sentimento que pulsa aqui dentro, Léo. Como eu não pude acompanhar as evidências sempre tão claras e direcionais. Eu, embora não quisesse acreditar, sabia que o amor estava minguando e mesmo que eu tentasse apertar, segurá-lo em minhas mãos ele acabaria escapando por entre os dedos.


Sim. Eu sei que meu excesso de atenção, os telefonemas longos e açucarados, e até mesmo as minhas declarações na madrugada devem ter te assustado. Mas, sabe? Eu não consigo viver um sentimento pela metade. E quando deito sob as estrelas com os olhos fixos nela eu me pergunto: por que eu o amo tanto? Será que meu amor será suficiente para obrigá-lo a ficar? Será que o amor tem que ser obrigação? Então, eu me questiono muito, Léo. E se tu me fosses transparente, eu não precisaria ter medo de nada. Porque as respostas estariam sempre claras nos teus gestos, mesmo que eu não fizesse pergunta alguma.


Nosso relacionamento nada tem a ver com a sua idade, não a cronológica. Isso tem mais a ver com o que você estará abrindo mão daqui em diante. Sim, eu aguentei até onde pude, mas sabe quando a corda fica gasta demais e acaba por arrebentar? Acho que foi isso que aconteceu. E fico feliz de você ter tido "coragem" de me dizer essas coisas, embora eu acredite que merecia mais de você, uma conversa cara-a-cara, olho-no-olho, porque sempre agimos dessa forma, não é?


E, Léo, entenda. Terminar [o que não começou] não irá me causar dano algum. Porque há tempos venho me preparando para esse momento. Tu não sabes, mas desde o início sabia que o amor e quase relacionamento estava fadado a isso e era apenas questão de tempo. Contudo, espero que você seja bem feliz e não, não tenho pretensão alguma de te esperar. Até breve.


Com meu coração,


Madô.

Das cartas.

Eu gosto de você?

15:25








Querido Alex,




É tão complicado para um homem dizer: "eu gosto de você", sem soar compromisso? Acho tão absurdo esse seu jeito de lidar com as coisas, como se tudo tivesse segundas intenções, como se tudo o que sai da mim boca dêvesse ser analisado, porque tudo - segundo você -, que eu falo é seguido de entrelinhas ou subentende-se algo. Não. Não é!



Vamos combinar uma coisa? Quando eu digo: "gosto de você". É somente isso. Gosto! Não é um pedido de namoro, de casamento, não estou querendo tomar o chá das cinco com sua família, não quero ficar dormindo na sua casa de conchinha e muito menos deixar uma escova de dentes reservas no seu armário do seu banheiro.



Desculpe, quer dizer, desculpe é o caralho. Eu venho tentado contornar a situação há tempos, tentado colocar na cabeça que você só está com medo, que a sua ex-namorada continua no seu pé, mas quer saber? Cansei. Eu sou maravilhosa, tá! Não é isso que você diz sempre. Então, eu sei que sou M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A!!! E apesar de você não enxergar isso eu estou pouco me fudendo para você. Se quer saber.



Acontece, meu bem, que pedir desculpas para alguém não arranca pedaço. Reconhecer um erro é uma virtude e, infelizmente, você não é tão virtuoso assim. E sabe, eu simplesmente não me importo com o que você irá pensar depois que ler essa carta. Você não se importou comigo quando me deixou esperando até às 3 da madrugada, não se importou em responder os meus sms suplicantes e muito menos em ser arrogante quando na verdade eu só queria me redimir e consertar o nosso caminho. Quer saber? FODA-SE você.



Com amor,
Clarice.

Do desafio

Você me bagunça.

17:54




"Lapida-me a pedra bruta, insulta, assalta-me os textos, os traços."
O Teatro Mágico


Absorta.
Esse adjetivo vestiu-me perfeitamente aquela manhã. O visor brilhava e o seu nome, há muito esquecido, arrancou-me suspiros e além de despertar uma dúvida: atendo ou não? E então, depois de chamar - alguns breves segundos -, senti a necessidade "curiosística" de atender. E então minha voz soou mansa, quase inaudível, e eu não sei ao certo o motivo. Acredito que um misto de espanto, despero, saudade e porque não dizer: amor.


É que você me bagunça. E não é apenas uma frase solta qualquer. É como eu realmente me sinto quando você, docemente, pronuncia o meu nome. Acredito que se onze anos não foram capazes de acalmar essa chama que arde cá dentro, outros mais não serão suficientes. É que você, beibe, consegue causar em mim todas as sensações inimagináveis. É como se você soubesse tocar meu âmago. Ou como se você percebesse: ei, tô muito ausente. o coração dela vai me esquecer. E então, eu imagino que você deve ter um relógio que além de cronometrar esse tempo, te aviso quando é hora de aparecer.


E esses dias, para ser mais exata, na noite seguinte a sua ligação estava lendo e de repente meus olhos pousaram sobre a seguinte frase: "eu amo você, mas não gosto mais de você." Então eu imaginei redigindo aquilo para você. E embora eu acredite, que o tempo tenha calcificado em meu coração o amor por você, a minha cabeça e todo o resto do meu corpo prova o contrário. Porque mesmo sem querer: você me bagunça por inteira.

das decepções.

Do amor e outras merdas.

14:12

Ela tem uma, hedionda, mania de embonitar as coisas. Desde sempre. Deve ter adquirido ainda na infância, quando sua prima lia contos sobre príncipes que escalavam torres e enfrentavam dragões e bruxas horrendas para salvar suas princesas. Se pudesse voltar no tempo, talvez, escolheria ouvir histórias de terror ou a narração de um jogo de futebol qualquer. Só que ela perderia sua essência, seu encanto. Não seria a mesma.


E então, ela se pergunta: por que mudar para se moldar a alguém? Ela não poderia simplesmente continuar escrevendo poesias, acreditar que o amor existe e que ele está próximo, contar suas pidas - mesmo não sendo boa nisso -, falar pelos cotovelos e mostrar que a sinceridade e a autenticidade são virtudes que as encanta. Bah! Acontece que a vida seria bem mais fácil se ela fosse controlada, falasse não dúvidas, se não tivesse ímpetos desesperados de enviar sms para ele às 03 da madrugada. Se ao menos conseguisse dizer:"cara, tô feliz pra caralho e tu não me faz falta." Mas daí, se conseguisse, não seria ela.


E em meio a essa a confusão, ela lista duas teorias: uma estapafúrdia e outra até considerável. A primeira seria um homem com super poderes, assim com identidade secreta e tudo. Aquela história que conhecemos bem, aranhas radiotivas, kriptonita. E então, ela se imagina como a mocinha que não pode ser vista, aquela super-protegida, afinal os arqui-inimigos não podem saber de sua exista. Okay, essa é insana. Mas daí ela pensa na segunda que é o modo como ela reage com relacionamentos, não sabendo distinguir o que é permitido e do que não é, masculinizou-se com todas aquelas conversas que o primo ensinara, que não se deve fazer isso, não deve fazer aquilo. Ou talvez, a moça apenas não tenha encontrado alguém que descobrisse, enxergasse, ao fundo o que há em seu coração.


Da saudade preto e branco.

Sobre você.

16:41

O som se foi há horas, apesar de o rádio continuar sintonizado na nossa estação predileta. Eu queria andar um pouco lá fora, mas o Sol resolveu tirar folga - e, mesmo que não houvesse -, isso também tem sido difícil ultimamente. Meu coração feito pedra, continua aqui, nem descompassado bate mais. E, embora eu creia, não há chances para nós. Só que eu queria te dizer: eu tenho uma coisa sobre você.

@eupamelamarques

FANPAGE

DIREITOS AUTORAIS

Todos os textos publicados aqui neste blog são de minha autoria ou de autores convidados. As fotos e gifs foram retiradas de sites como Pinterest e Tumblr, sendo assim, para de fim direitos autorais, declaro que as imagens NÃO pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente comigo por meio do e-mail: adm.pamelamarques@gmail.com. Eu darei os devidos os devidos créditos.