Comportamento

TANTAS VEZES MORRI DE AMOR

18:05


A gente passa por cada decepção nesta vida e até chega a pensar que não aguentará e que morrerá de desgosto. Mas a gente não morre, a gente supera, a gente cria cicatrizes e aprende a não ser tão bobo. Aprende a olhar melhor o outro, a reparar com calma e extrair a verdade dos olhos e da fala. 

Já morri de amor tantas vezes. De desgosto muito mais. A vida é assim: morte e ressurreição. Nesse mundo de desilusão a gente é fênix, minha gente. A gente sempre ressurge das cinzas. A gente sempre levanta do tatame e recomeça, pois a batalha não acaba em uma luta. Não é um round que define os nossos caminhos.

Tantas vezes eu morri de amor. Tantas vezes eu morri de desgosto. E hoje eu olho para cada cicatriz e relembro os lugares que passei. Olho com pesar e gratidão para cada pedrinha que me fez tropeçar. A gente cai e pragueja, mas lá adiante a gente agradece. São as quedas que nos tornam fortes. São elas que nos direcionam ao caminho certo. Cair dói. Isso é indubitável. Permanecer no chão, beijando o solo, acariciando a pedra, é opção nossa. 

A gente tem a mania besta de cutucar a ferida para que ela não sare. Porque a gente tem medo de não ter mais machucado para cuidar. A gente faz dos ferimentos “bichinhos de estimação”, porque é mais fácil conviver com uma ferida antiga. A gente tem medo de se machucar de novo, então nos abraçamos aos machucados antigos. 

Então, para hoje, eu só peço que cada baque nos torne pessoas mais atentas, que cada tombo nos fortaleça um pouco mais. Decepções são involuntárias. A gente não tem controle sobre as ações das pessoas. O que nós podemos fazer é decidir como reagiremos a elas. Que a gente reaja sempre muito bem. Amém.

PRECISAMOS FALAR SOBRE SUICÍDIO

16:50

Hoje participei da palestra “Gestão da Emoção” com o escritor Augusto Cury e me senti encorajada a falar sobre esse assunto que há dias penso em escrever. Falar sobre suicídio é um tabu e sugere-se que seja um assunto silenciado por acreditarem que a sua divulgação seja um gatilho estimulador. Entretanto, acredito que hoje, em meio a tantos casos, faz-se necessário à sua discussão.

Antes de vocês lerem o meu texto gostaria de pedir que vocês façam uma leitura livre de pré-conceitos e preconceitos. Que leiam atentamente e de coração aberto. Escreverei aqui como uma pessoa que perdeu 3 pessoas da família e alguém que luta diariamente contra esse sentimento.

Semana passada uma amiga tentou suicídio e quando eu soube fiquei em estado de choque. Mas ao contrário de muitos que disseram: “mas ela tem tudo”, “mas ela parece tão feliz”, “mais isso e aquilo”, eu apenas me peguei pensando sobre o quão pesada e avassaladora deve ter sido sua dor a ponto de atentar contra a própria vida. Eu pensei nela, lembrei de mim e das minhas inúmeras crises existenciais e de ansiedade. Eu olhei para o meu interior e enxerguei o buraco que há dentro de mim que, por mais que eu tente, não consigo preencher.

Nós precisamos mudar a nossa mente em relação ao suicídio. Quem tira a própria vida não quer de fato morrer. A pessoa quer viver, quer viver muito, mas não consegue. Não encontra condições suficientes e necessárias para levar a vida adiante. Quando eu lembro do meu avô e meus tios eu não os julgo por uma simples razão: eu sei o quanto a vida é pesada, porque eu a sinto diariamente me derrubando no chão. Há dias mais fáceis, mas nem todo dia é bom. Há dias que são angustiantes e por mais que eu explique aqui, que eu escreva, você não compreenderá. Porque é necessário estar na pele para sentir na carne.

Não é falta de Deus. E eu acho de uma extrema ignorância as pessoas atribuírem isso à religiosidade. O suicídio é o “ápice” de uma doença maior: a depressão. É, como muitos dizem por aí, a solução rápida para um problema que é temporário. Mas quem comete suicídio não tem tempo para pensar no amanhã ou avaliar se as coisas mudarão. Ele só pensa em acabar com aquela dor que sente. Ele só quer cessar com tudo.

Conheço inúmeras pessoas felizes que sofrem de depressão. Você também deve conhecer. Sabe esse colega de trabalho que ri de tudo e faz piada com tudo e todos? Ele pode chegar à casa e sofrer silenciosamente à noite. Sabe aquela pessoa que é admirada por todos e que tem a grama mais bonita da vizinhança? Ela também pode sofrer. Recentemente tivemos vários casos de famosos que tiraram a própria vida. Pessoas, aparentemente, com vidas perfeitas. Ou seja, a depressão é uma doença silenciosa e quase que invisível. É preciso que estejamos atentos a quem amamos para podermos identifica-la. Para que possamos apoiar quem amamos.

Há algum tempo decidi procurar ajuda profissional, porque percebi que não era autossuficiente e que eu não poderia me curar sozinha. Porque eu realmente QUERO VIVER, mesmo que minha cabeça fale que não. Porque eu tenho planos e sonhos que quero realizar. Às vezes nós precisamos entender que não temos real domínio sobre nossa vida e que muitas vezes precisaremos do auxílio de outras pessoas para seguir em frente; sejam elas amigos ou médicos.

Eu decidi por mim. 
Porque eu quero ver meus sobrinhos crescerem, porque eu quero conhecer vários países, porque eu quero ter meus filhos, publicar mais livros e plantar algumas árvores. Porque eu compreendi que minha vida não pode se resumir ao meu quarto escuro aos finais de semana. Porque eu entendi que a minha ansiedade nada mais é que o desespero por não saber por que caminho seguir. Mas eu estou disposta a encontrar esse caminho mesmo que a estrada seja árdua e que o fardo me doa. E se eu não conseguir carregar eu dou permissão a quem me ama a me ajudar a carregar.


Acreditem.
Eu quero viver.

Quero muito.

@eupamelamarques

FANPAGE

DIREITOS AUTORAIS

Todos os textos publicados aqui neste blog são de minha autoria ou de autores convidados. As fotos e gifs foram retiradas de sites como Pinterest e Tumblr, sendo assim, para de fim direitos autorais, declaro que as imagens NÃO pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente comigo por meio do e-mail: adm.pamelamarques@gmail.com. Eu darei os devidos os devidos créditos.