Valia a pena - Parte I.

Tão estranho era aquele sujeito. Parecia até que vivia em um mundo diferente, um lugar inacessível a outras pessoas. Não conversava com ninguém, evitava ao máximo contato com as pessoas que o cercavam. Na escola era calado, ficava em seu ‘mundinho’, parecia não se importar com os colegas.

O rapaz cresceu e passou em 1º lugar no vestibular da Universidade de Brasília. Para ele isso não era grande coisa, já que ele mesmo dizia ter estudado tanto tempo para isso. Todos o achavam estranho, afinal estavam no 4º semestre de psicologia e nada de aproximações. Nada de trabalho em grupo, era fechado mesmo. A vida fora da universidade não era muito diferente ele se limitava apenas a dizer ‘oi’ e ‘tchau’.

Traumas na infância? Talvez, mas como saber se ele não falava com ninguém? Tímido não era, tinha uma facilidade imensa em se expressar quando necessário. Um amor talvez seria o ideal para livrá-lo da solidão, mas como encontrar alguém sem sair de casa?

Mas todos nós estamos predestinados a encontrar alguém, ele também teria uma paixão a sua espera.

Certa noite chegou em casa depois de horas na biblioteca lendo mangás, isso mesmo, mangás. O rapaz não era tão velho, ainda era moço, tinha apenas 19 anos. Olhou para o computador e decidiu ligá-lo. Abriu seu e-mail e viu que recebera uma mensagem que dizia o seguinte:

“Sempre quis me aproximar de você, mas tinha receio. Então resolvi mandar-lhe esse e-mail, se quiser conversar comigo estarei no icq. Meu uin é ‘xxxxxxx’.”

Pensou quem seria essa moça que por ele havia se interessado. Ninguém em mente. Fechou o e-mail e desligou o computador, porém, aquilo não o deixava dormir. Pela primeira vez alguma coisa o perturbava, então depois de muito relutar decidiu ligar novamente o computador. Não tinha icq, pois não tinha amigos e usava o e-mail somente para saber as novidades de seus mangás, filmes e livros preferidos. Entrou na página do icq e fez uma identidade para ele, pegou o número da moça e a adicionou. Ela não estava on-line, esperou por mais algumas minutos, horas talvez e desligou. Do outro lado da cidade lá estava ela em modo invisível se lamentando por não ter falado com o rapaz que tanto lhe despertava desejos e até mesmo compaixão. Escreveu a ele off-line:

“Mas uma vez meu medo me impediu de chegar até você.
Não entendo o porquê de não ter me aproximado, já que você se mostrou interessado em saber quem sou.
Sinto muito”


No outro dia ele leu e ficou pensando se deveria ou não responder. Alimentar esperanças não fazia sentido, afinal não a conhecia e tinha dúvidas se queria ou não saber realmente quem ela era. Mas ele precisava acabar com aquela incerteza que o estava incomodando há dias. Respondeu então e para sua surpresa esta respondeu saindo do modo invisível.

Conversaram por horas e aquela moça, pela primeira vez em sua vida, despertou algo que estava adormecido: uma paixão. Foram meses teclando, ele já sabia todas as manias e gostos da moça. Estava até mais solto, mais alegre. Sabia que ela estudava na mesma universidade, mas nunca falaram em se conhecer, talvez perdesse o encanto depois disso. Ele pensava que se ela o conhecesse realmente não iria querer continuar a teclar com ele, levando assim a única coisa boa que ele conquistou em seus 19 anos de vida.

Escrito aos 16 anos.
Continua.

Ps: Post da Fê para mim. Leiam. Amo-te, gata!

Compar:

10 comentários

  1. Nossaaaaaaaaaaaa, ele é um solitário, mesmo. Nunca imaginei alguém assim.. :s

    Espero a continuação pra ver no que dá, esses dois hunf

    ResponderExcluir
  2. O princípio de uma paixão muda tanto a gente. Faz um rebuliço dentro de nós, quase uma festa. E assusta a ideia de tudo poder acabar em instantes. Natural que ele tivesse esse receio.

    Quero a continuação, hihi.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Terei que voltar.
    Gostei bastante, aguardando a continuação.
    Já conheci pessoas assim.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Talvez fosse melhor continuar amando e sonhando um encontro do que encontrar e talvez perder toda a magia que crescia dia a dia em cima daquele sonho..

    ResponderExcluir
  5. Ih, Francisco.
    Tem blog não?
    Pode acompanhar. Só 2 capítulos =D

    ResponderExcluir
  6. Mtolindo o texto, desde dos 16 anos já demonstra um potencial. Aguardo ansioso pela continuação.

    =D

    ResponderExcluir
  7. Omg, aguardo ansiosamente pela continuação. Você não tem noção de como foi leve ler esse texto, muito bom! Adorei (:
    Obrigada pela visita no blog e espero que o amor deles dê certo!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Anciosa pela continuação...rs
    Ameii

    ResponderExcluir