Beije-me.

"Beije-me sob o crepúsculo.
Leve-me pra fora, no chão iluminado pela lua.
Levante sua mão aberta, faça a banda tocar
e faça os vaga-lumes dançarem.
A lua prateada está brilhando, então me beije."
(Kiss-me Sixpence None The Richer)

O crepúsculo aproximara-se e nós estávamos sentados, a beira de um precipício. A vista era linda, embora embaixo houvesse muitas pedras, o barulho do mar nos convidava a um mergulho. E os teus pés estavam descalços assim como os meus, e em tuas mãos havia um violão – o meu, que comprara na intenção de aprender algo e embora tentasse, não conseguia avançar às notas. Sempre tive problemas com minha coordenação motora e tu bem sabias disso. Tu cantavas que: garotos não resistem aos mistérios de meninas, que muitas vezes são mulheres. E eu tentava desvendar naqueles teus acordes, e palavras que saiam fáceis se algo era para mim. Enrubesci. E os meus olhos fitavam as fitinhas de Bom Jesus da Lapa que estavam no seu pulso recém-adquiridas em sua última viagem. E você ria do meu rosto vermelho.

– Mel, tu sabes que os acordes mais sinceros são vindos do coração, não é?
E tuas palavras eram tão doces, que meu nome realmente parecia escorrer por tua boca, tal qual num favo de mel. E então eu apenas assenti com a cabeça, faltava-me ar, fôlego. E eu apenas fitava os teus olhos de avelã.
Então você me deu o violão e disse: – Cante o que teu coração mandar agora. E eu engoli seco. Relutei, pois mal sabia as notas.

E pousei sobre o colo o violão com as cordas voltadas para as minhas pernas, pensava em levar a conversa para outro lado, afim de que você se esquecesse da tal música. Apesar de cantar sempre, sabias que eu era tímida por completo. E mostrei-lhe os vaga-lumes, que mais pareciam estrelas baixas – eles dançavam. E você aproximando-se de mim disse: Vê como a lua prateada nos declama poesias, doce. E inebriada fiquei, tensa também. Não compreendia bem as tuas palavras, nós sempre tão amigos e sem pretensões. Sempre devaneei palavras assim, vindas de teus lábios que me são tão apetecíveis, e agora te olhava boba sem palavras.

E você deitou-se sobre a grama, que agora iluminada pela lua tinha um tom verde brilhante, e com a voz doce apenas disse: cante-me. E eu fechei os olhos e disse: – Não ria dos meus olhos fechados, me é constrangedor cantar-te e veja, vou tocar sendo que sou estabanada e mal sei alguns acordes. E você me soprou um beijo e disse: – Quero-te cantante, assim como a tua fala. E eu estremeci.

Ré sustenido era a nota inicial, seguida de outros acordes que fui lembrando aos poucos, meu inglês um pouco enferrujado era tímido. E você olhando-me com olhos atentos traduzia mentalmente o que eu cantava e o meu canto era um leve balbuciar. E você aproximava-se de mim aos poucos e eu era toda nervos. A música foi interrompida por teus lábios que cantavam e agiam conforme a letra que dizia: beije-me.

Outros beijos: Alan, Andrey, Camila, Carla, Charlie, Du, Fernanda,
Luciana, Maria Fernanda, Natália, Nathália,
Raquel, Tiago.

Quer participar? Escreva e nos avise.

Compar:

26 comentários

  1. ... os acordes mais sinceros são vindos do coração...

    Doce e leve... como devem ser os amres. Foi o que me veio mente ao ler.

    Lindo.

    Já postei o meu.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ah... Mel é essa história, que escorreu por meus olhos e adoçou minha manhã.

    Eu queria um momento desses pra mim. Música e beijos se completam, são a combinação perfeita!

    Sabe, eu amo quando te leio em um final feliz. :)

    Beijos grandes.

    ResponderExcluir
  3. Eu deveria imaginar, conhecendo-te pouco como já conheço, que tu escreverias algo assim: doce. Mas não imaginei. Entretantas, surpreendeu-me.

    Ao final dessa música destoada em um violão, há um beijo de silenciar corações. É, posso imaginar isso.

    Beijo Mel.

    ResponderExcluir
  4. Tão suave.
    E a imagem de um casal e um violão sempre é algo que me encanta.

    Bonito texto, Pâm.
    Beijo!

    Ps. postei xD

    ResponderExcluir
  5. Perfeito.
    Delicado em todo seu contexto.
    haa esse é o amor que todos sonham por um momento passar.
    Musica, beijos, mar..
    combinação perfeita.
    Parabéns flor.

    ResponderExcluir
  6. Rapazes doces, adoçando o dia do leitor! Que lugar lindo eu imaginei, eu pude até sentir a brisa no meus cabelos, no meu rosto, e se fosse uma amanhã, teria gaivotas, ah lindo lindo.

    Charlie B.

    Ps. Estou com vontade de ser beijado agora, argh!

    ResponderExcluir
  7. Doce, perfeita, mel. hehe

    A timidez sempre faz parte do momento que marca. A descoberta do outro é como os primeiros acordes atrapalhados da canção que canta e encanta!

    lindo texto, como sempre, perfeita!
    :D

    ResponderExcluir
  8. Supimpalesco!
    Por falta de adjetivos, inventei um...

    Linda e doce, como sempre.

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  9. Doce como mel, realmente. Meu coração explodiria se vivesse algo parecido com isso.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. É que eu sou escorpiana, então, pra mim, uma noite bastaria para que a vontade de repeti-la acontecesse muitas vezes mais. :$

    p.s: não tô conseguindo ler seus textos todos aqui, o primeiro paragrafo não aparece, começa do meio do texto. :s

    ResponderExcluir
  11. Oi Pâmela, um bom lugar para um beijo com certeza. Gostei muito da frase: "Mel, tu sabes que os acordes mais sinceros são vindos do coração, não é?". A construção com o uso do TU ficou ótima. Perfeito.
    Bj

    ResponderExcluir
  12. Músicas na maioria das vezes são feitas pra um amor que existiu, que passou ou ainda tá passando. Ou que ainda não foi vivido.
    Queria ser beijada agora, ouvindo acordes pra ser marcada sempre.

    beijo :*

    ResponderExcluir
  13. eu quero escrever uma história sobre o kiss me. pode também?

    ResponderExcluir
  14. Dá para imaginar as cenas. E, se eu não fosse tão desafinada, certamente eu cantaria para receber um beijo cantado também.

    Lindo Pâm.

    ResponderExcluir
  15. Você adora escrever contos hein?
    e concordo com a dandara :D

    ResponderExcluir
  16. A timidez,, o mais doce licor para o sabor da paixão, nada como alguns acordes para sombrear de desejos, os labios cantantes...

    Kiss

    ResponderExcluir
  17. eu sempre quis aprender violão, mas sempre desisti por causa do 'fá' maldito.

    ResponderExcluir
  18. Texto lindo mesmo.
    Doce é a palavra certa, como o nome dela. E como deve ter sido esse beijo, doce, doce, doce, etc.

    Esqueci que era hoje e aí não escrevi, me avise de novo na próxima Pam.


    Bjos

    ResponderExcluir
  19. Nossa eu também sei o conto que postei hj quase de cor, parece que tem sempre alguma coisa por dizer né?

    Combinado.

    Bjo

    ResponderExcluir
  20. Nossa que lindeza de conto!
    Tão lindo quanto um beijo apaixonado!


    Bem... eu também postei! \o/
    Beijei também. rs


    Mais BeijO

    ResponderExcluir
  21. *---* vou te linkar e seguir.

    bejoos

    ResponderExcluir
  22. Meu ideal de "o momento" sem dúvida nenhuma alia a música e o amor, e o violão, meu mais constante amigo, adora tocar canções que não sabe, só pela chance de procurar os acordes!

    Adorei seu texto!

    (Encontrei-a pelo blog da Natália e, já disse lá e reitero aqui: gostaria de participar da próxima postagem coletiva!)

    bjo

    ResponderExcluir
  23. Como você faz pra escrever essas coisas? Você já viveu algo assim? Achei tão bonito que quero que tenha sido real para alguém.

    ResponderExcluir
  24. Ficou bem legal o layout novo! Prometo ajudar no proximo! bjs

    ResponderExcluir
  25. Fiquei te devendo um texto para ontem. Mas essa semana começou meio esquisita. Adoeci, minhas idéias sumiram, e não consegui escrever nada.

    Vou esperar a próxima oportunidade :)

    ResponderExcluir