Dos encontros;

Passavam-se das dez e meia e a chuva ainda não cessara, obrigava-a continuar ali esperando. Impaciente como sempre, batia os pés descompassados, enquanto o relógio avançava às horas rapidamente. Encheu-se de coragem e partiu em meio à chuva que caia ferozmente, desejava ir para casa. Estava exausta, algumas reuniões e decisões haviam sido tomadas deixando-a com os nervos irritadíssimos. Seu destino não era longo, atravessou a avenida a passos lentos, estava molhada e pressa já não tinha mais.

Começou a devanear, em mente, o rapaz que lhe roubara os sentimentos. Estava tão absorta que não percebera a aproximação do carro que vinha velozmente, colocou os pés na pista e foi repelida para trás pela buzina ensurdecedora do Vectra verde. Xingou, murmurou alto. E o moço que dirigia abaixou o vidro do carro dizendo: - Mel, não te vi menina. Perdoe-me. De súbito ela reconheceu a voz, claro. Está estava tão impregnada em seus sonhos e pensamentos que lhe era impossível não reconhecer: Ele! - Pensou.

Gaguejou um pouco até recuperar o fôlego. Ela estava ensopada da cabeça aos pés e ele gentilmente abriu a porta do carona obrigando-a a entrar. Perdeu a voz. Ele retirou a blusa e lhe deu para que se secasse e ela enrubesceu. Observando a timidez da moça ele disse: - Não te acanhes, tão logo cheguemos a casa me visto. Ela apenas assentiu. E em pensamentos pensava: - Como assim chegar a casa? Não vai me deixar na minha casa? Somente pensou. Não quis perguntar, deixou que a noite fosse dele, assim como a direção.

Chegando a casa trocou-se e lhe ofereceu uma toalha. Ela olhou-o atônita. Ele sempre ligava para ela, mandava-lhe mensagens, mas ela não conseguia enxergar nada, além disso. Suas deixas sempre a deixava confusa e ela não sabia o quê de fato ele pensava. E agora eles estavam lá, calados, olhando um para o outro. Ele, por sua vez, cansado de todas as entrelinhas e indiretas disse-lhe: - Doce. Sou-te apaixonado, fato isso. O sorriso molhado da moça rompeu o silêncio que acabara de se estabelecer com essa revelação e ela que outrora era toda tristeza, não se conteve e beijou-o como desejava há tempos.

Depois em seu ouvido ele disse: - Viu que não precisava ter medo? Sempre fui teu. Mas a incerteza também me consumia hoje, porém, vendo-te ali. Criei coragem. E juro que se soubesse dos teus doces beijos teria dito antes. Gosto-te, pequena.
(Desativei o: It's a problem)

Compar:

9 comentários

  1. Mais uma vez a postagem coletiva foi um sucesso. E gostaria de parabenizar a todos que participaram, os textos ficaram maravilhosos. Algumas pessoas estavam me perguntando da próxima. Então será na quarta-feira e o tema será: Primeiro beijo e funcionará da seguinte maneira, você pode narrar seu primeiro beijo, de alguém ou como você gostaria que tivesse sido.

    "Meu primeiro beijo foi doce a atrapalhado. Meu primeiro beijo foi mágico, mas rápido." The Happy Losers.

    Lembrando que a postagem é livre. Quem quiser pode participar.

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre me imaginei em situações com essas. E sempre quis que alguém (que não fosse meu pai) me chamasse de "pequena". Acho que você tem o dom de escrever meus desejos - que talvez sejam seus também...

    Beijos, flor! Você foi, como sempre, apaixonante nesse texto *-*

    ResponderExcluir
  3. Incerteza e medo estragam tudo. Tem tantas pessoas que a gente deixa de conhecer e se envolver por isso...

    Bem bonito o texo :)


    * Vou tentar participar da próxima postagem coletiva. Tenho uma folga na próxima semana e acho que minhas idéias não irão me abandonar dessa vez.

    ResponderExcluir
  4. oi, eu quero um romance na minha vida.

    beijas ;*

    ResponderExcluir
  5. Dia de chuva, é o clima perfeito para se dizer isso, chuva, roupa molhada, imaginei uma cena de filme. =D

    Postagem coletiva, uhum, vou participar, vou ter que reinventar meu primeiro beijo, eu já o escrevi em Noites de Verão Qualquer..eheh

    Charlie B.

    ResponderExcluir
  6. queria alguém assim em minha vida, que me olhasse, tratasse com mimo, que amasse...


    beijO!

    ResponderExcluir
  7. Histórias assim nos inspiram para enxergar o dia com outros olhos...
    Que lugar lindo esse seu!


    Estou seguindo. Bjs =)

    ResponderExcluir
  8. Cena de filme... foi isso que me veio em mente.
    Tão gostoso ter alguém assim, que cuisa da gente e supera o medo para amar.

    Bonito.

    E por sinal, adoro Vectra! kkkk
    Beijo, Pâm!

    Ps. acho que vou participar do post coletivo... pensando ainda.

    ResponderExcluir