Ocre.

Eu preciso da nicotina em minhas veias, porque me entorpece deixando-me mais leve. Eu necessito dessa dose a mais, porque ela emaranha os meus sentidos separando o que é real do fantasioso. Está vendo? Na verdade eu sempre precisei daquilo que é palpável e que você não pôde me dar. E em cada tragada e gole eu te encontro. E você me é melhor assim: “engarrafado”. Porque eu te bebo e vou sentindo você deslizar dentro de mim.

E meu batom, que outrora era cor-de-rosa, hoje é vermelho. Porque vermelho é a nova cor para mim, nada de azul que me remetem ao céu, de verde esmeralda que me lembra a verde grama, do marrom que me lembram os teus grandes olhos. Nada disso. Quero o vermelho que dá raiva no touro, que o incita ao ódio, que machuca e fere. Porque nada mais me importa, sabe. Porque eu não sinto, mesmo sentindo. Porque há em mim um misto – que não é bom. É nada, misturado com coisa nenhuma, enroscada em ausência. É oco, é árido. Terra seca sem vida. E eu gosto, quer dizer, assim prefiro.

Porque azul me dá náuseas, verde não me comove e o marrom tampouco me importa agora. Porque você para mim era caixa de lápis de cor e hoje só quero saber de canetas. Isso. E embora você não tenha culpa, eu me tornei assim, amarga. E a minha cor de hoje é ocre.
E não queira saber o que essa cor significa pra mim.

(Postagem coletiva de amanhã nesse blog - Post Coletivo. Visite e saiba como participar.)

Compar:

26 comentários

  1. Belíssimo texto, Pâmela!

    Feliz é aquele que percebe o brilho até naquilo que é opaco! Esta é a magia das palavras; num tom amargo, um conteúdo admirável.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Belo texto, como sempre...
    voce escreve muito bem!!
    Amo visitar seu blog..
    bjus

    ResponderExcluir
  3. Paixão tem algo assim tipo - ascensão e queda e uma paleta de tons do rosa ao pastel.
    E fico me perguntando em que momento o amor passa a ferir, mortificar e deixar ocre o ar que se respira, não é? Você retratou muito bem a decadência das paixões.

    Beijos, querida.

    ResponderExcluir
  4. Todo mundo tem o direito de vestir a cor que lhe cai bem. Se o azul evaporou-se e tornou-se tristeza, porque não fugir de estereótipos usando preto em clima de fe-li-ci-da-de?

    Foi-se o tempo em que regras eram seguidas. Agora, o tempo é todinho teu.


    Te adoro. Muito mais que muito.
    Beijo amada minha. :*

    ResponderExcluir
  5. Primeira postagem coletiva do ano.
    "Falar de amor não é amar, não é querer niguém" - Capital Inicial.

    Ilusão amorosa, amor de posse. O tema é quase livre, mas baseada na música acima como as postagens anteriores.

    PS: Quem quiser pode postar a vontade. Postagem amanhã!

    ResponderExcluir
  6. Anda muito amargurada. Acho que todo o teu doce nas palavras para o rapaz que você gosta esgotou.
    A maioria dos amores se tornam amargura quando não são tratados como devem.
    Mas, querida, não deixe a doçura de lado. Você é puro Mel.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. que haja coragem para o vermelho...e seus tons avermelhados!

    ResponderExcluir
  8. A nicotina já se tornou minha esposa.

    Casados há tanto tempo, nem brigamos, olha que bom - risos.


    Uma hora td se esgota. uma hora o amor pede clemência....

    Belas palavras, aliás, sempre são perfeitas!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Aqui é a nicotina, ali cu lá comigo é a cevada...

    ResponderExcluir
  10. Embora reconfortante, é um tanto estranho se descobrir nas palavras de outra pessoa.

    Adorei tudo aqui e nesse momento não sinto a menor vontade de ir embora.

    ResponderExcluir
  11. Otimo texto, como sempre.

    A associação que fez do vermelho foi otima.
    Sempre adorei o vermelho, me lembra intensidade, vigor, paixão.
    É uma cor que se associa a tantas e tantas coisas.
    Ha me lembra do meu Tricolor Paulista também... adooooro.. rsrsrs

    BeijO minha flor

    PS: Ocre é uma cor mto estranha, rs
    Hum, será o que ela significa pra você?! |mistério..|

    ResponderExcluir
  12. Meu Deus!!!
    estou sentindo vc meia revoltada!!!
    mais tbm como não ficar né!?
    mais vc merece o dia claro das dos dias mais lindos com um grande arco-iris!!!
    Amu tu nega...
    BjO...

    ResponderExcluir
  13. Já senti isso que tu provavelmente sentes agora.
    Não vale a pena.
    E por mais que acho errado esquecer um amor com outro amor,se torna o mais apropriado para curar a dor.

    Adorei aqui. Estou seguindo.
    Mil beijos.
    Feliz 2010.

    ResponderExcluir
  14. As vezes a necedidade de alguém, a nescecidade de olhar para o lado e ver que tem uma pessoa ali, nos faz viciados, viciados pelo amor e pela beleza de amar...

    ResponderExcluir
  15. menina como vc escreve! :O
    amei muito.. lindo esse texto.. de verdade!
    Realmente, tem pessoas que nos machucam de tal maneira que nos fazem desiludir de tudo (ou quase) que existe e nos tornamos pessoas amargas, sem vida, sem cor. Um amigo era exatamente assim (; Não acreditava mais no amor, nem na felicidade e o que o satisfazia era exatamente a sensação de ter a amada presa em uma garrafa de vodka.. hahahahahahaha
    maravilhoso o texto. :)

    ResponderExcluir
  16. Seu texto me tocou bastante Pam, como sempre. Nada pior do que se isolar do arco-iris por ele trazer lembranças que nos limitem apenas, como no teu caso, ao ocre.

    beijos

    ResponderExcluir
  17. Poxa muito lindo o que você escreveu. Parabéns!

    A profundidade de suas palavras transmmitem muitos sentimentos. Lindo

    Voltarei mais vezes. Beijos e Tenha uma linda noite!!

    ResponderExcluir
  18. O amor é assim: vai do colorido ao preto e branco.
    :)

    ResponderExcluir
  19. Só um palpite, creio que ocre seja a morte.

    ResponderExcluir
  20. Só peço que você não seja monocromática. Seja ocre hoje, prata amanhã, amarelo depois. Seja de qualquer cor (desde) que te faça bem.

    Estava com saudade de te ler. Descobri hoje que até quanto você é amarga, você é doce.

    Beijo grande Mel.
    Não sei se vou poder participar da postagem coletiva novamente, porque estou viajando. Mas logo estarei de volta de verdade!!

    :*

    ResponderExcluir
  21. Ocre, definitivamente, é a cor da morte. Mas olha que mundo estranho esse dos nossos corações: a morte é, quase sempre, reversível... quase.

    ResponderExcluir
  22. Acho que mataram a charada. Ocre é a cor da morte, definitivamente.
    E talvez você tenha razão, Romy, vezenquando a morte é irreversível. Vezenquando.

    ResponderExcluir
  23. Belíssimo texto,Continue sempre assim ..
    Beiijos e muito mais muito sucesso !

    ResponderExcluir
  24. Ainda estou com o gosto travoso na boca...

    Bjo, boneca!

    ResponderExcluir
  25. Hoje estou mais para um amarelo sem graça...

    ResponderExcluir
  26. Adorei seu blog, estou lendo tudo aos pouco!

    Parabéns você escreve muito bem!

    Grande beijo

    ResponderExcluir