O fogo é fogo;

Meu coração martelava junto com as ondas sonoras que vinham do trio elétrico, podia sentir a vibração de cada instrumento que compunha a melodia que banhava a avenida. E ali em meio a várias pessoas usando abadas verdes com branco avistei-o. Estava no trio elétrico e suas mãos inquietas tocavam harmoniosamente a percussão. O gingado do rapaz que tocava dançando e com sorriso largo nos lábios deixou-me compenetrada, tal era minha concentração que já podia prever qual seria o seu próximo movimento, qual sorriso de excitação ele desenharia no rosto, tão dentro eu já estava daquilo tudo. Mas sabia que jamais ele me notaria, milhares de outras meninas gritavam-nos de forma enlouquecida. E eu contida apenas o observava.

Quando a música toca e freneticamente os foliões cantam: “Como é que você foi embora sem dizer pelo menos adeus...” Ele baixou seu olhar para mim, parecendo-me sorrir. Olhei para trás a fim de perceber se era comigo mesmo que falava e para minha surpresa: era. Com um sinal balançou a cabeça e com gestos com suas mãos disse que queria conversar comigo depois. Gelei. E o esperei. E as músicas seguintes iam melodiosamente casando com nossos olhares muitos e eu sentia um turbilhão de sentimentos dentro de mim. Desejo, vontades. A banda deu lugar à outra tão agitada quanto e logo eu o procurava entre milhares de pessoas, assustei-me com um cheiro no cangote, que me enfureceu deveras. Virei-me bruscamente para o indivíduo e o susto foi tamanho: ele. Olhos esverdeados, camisa regata branca e os bíceps a mostra, sem fôlego fiquei diante do monumento. Ele riu.

– Assustada moça. Sou eu. – o som de sua gargalhada era tão doce e gostosa aos meus ouvidos que o sangue de todo o meu corpo me parecia pintar as bochechas de vermelho vivo.

E eu o olhava boquiaberta pensando em meu íntimo: que monumento. E ele parecia me ler perfeita. Pegou-me pela cintura e no ouvido cantou-me: “só sei que o corpo estremece a pernas desobedecem, inconscientemente a gente dança.” E no final da frase disse: - É assim, menina, quando a gente de longe avista quem por um minuto nos tira o fôlego. – E então eu quis cambalear.

– Deves falar isso para todas outras meninas que tu encontras nas cidades. Tens o olhar mais penetrante que já viste. Acredito que me seduziste. – Falei timidamente, mas corajosamente. Eu não podia deixar passar em branco aquela oportunidade.

Ele pegando-me pela nuca disse-me beijando-me o canto da boca. – Podes acreditar nisso, bonita. Ou então deixar que esta noite seja única e intensa para ti. Porque te digo que a tua boca me chama e eu posso ver isso. Não se pode fechar a porta para as oportunidades, vez ou outra a felicidade vem acompanhando-a.

E o que eu poderia fazer? Deixe-me seduzir por aqueles braços, aquela pele um pouco suada, mas ainda assim cheirosa como se devia ser. Ele beijando-me calorosamente, dedilhava seus dedos entre minhas costelas num vai e vem infinito e só pude desejar que a noite não acabasse. E a música que sempre me lembrará aquele momento será a que sempre embala todas as vezes que ele vem tocar aqui na cidade: “o fogo é fogo, esquenta, esquenta o nosso amor (...) esquenta que o Ara chegou.”

Compar:

21 comentários

  1. "Espero para ver se você vem, porque eu te amooooooooooooo eu te adoroooooooooooooooooooo, meeeeeeeeeeeu amooooooooooooooooooooooooooooooooor" Micareta é muito bom, vou voltar a essa fase. rs Muito legal o texto, os comentários ja te fiz por msn rs, aquele abraço ;D

    ResponderExcluir
  2. Uma noite improvável; alguém mais improvável ainda... Sussurros, suspiros, calor: Ingredientes perfeitos para tempos de paixão!
    Ah! E, óbvio, o olhar. Os olhares e os beijos e os toques e os sorrisos.
    Ah, que paixão, Mel.
    Que deleite!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. O Ara tem essa virtude de propiciar boas noites.

    A gente merece um relaxamento quanto ao destino em certas noites.

    Doce! Lindos todos os teus textos..ando meio em falta com os comentarios, bem sei. Porem, te leio sempre.

    Quero dizer alheio a textos: você é maravilhosa! :)

    ResponderExcluir
  4. Ahhh... adoro olhares que nos roubam.
    Intensos.

    To na fase de me permitir ser intensa, sem planos, como "ela".

    Beijo doce!

    ResponderExcluir
  5. Lembra meus tempos de criança e os passeios escolares. Araketu mesmo que não gosta se entrega a essa onda. Araketu tem gosto de infância para mim.

    Bem escrito o texto.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Não sou fã de micaretas, aliás acho que nem curto axé mas enfim ..
    acho que nem eu resistiria !

    nossa, seu post me deixou sem fôlego. imaginei cada cena hihi
    bjs


    minha linda (:

    ResponderExcluir
  7. Só você pra fazer um romance inspirado em música de Araketu, Pam!
    Sabe, achei altamente sensual. Fiquei imaginando um corpo forte, suado, um abraço firme... eu, ein? :$

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. E olha que eu sou roqueira com raízes no sertanejo. Haha. Nada a ver, né?

    ResponderExcluir
  9. Amei a história!!!
    amei todas as emoções sentidas... tudo!!!
    bjocas

    ResponderExcluir
  10. http://postcoletivo.blogspot.com/2010/01/proxima-postagem-20012010.html

    A próxima postagem coletiva está em votação. Vote no seu tema preferido.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  11. Ai ai.. E essa boca que chama e chama.... Em chama, queima!

    ResponderExcluir
  12. O amor já é fogo, e com um monumento assim!
    Meu Deus rs...
    Esses amores são ótimos mas acho que não duram para sempre.
    Que pena!
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Não tem como não imaginar.

    Quando somos de surpresa pegos pela paixão é sempre muito bom!

    ResponderExcluir
  14. O texto ficou ótimo, apesar de ter o Araketu no meio! kkkkkk
    Detesto micareta e axé... Mas tudo bem, fico com a essÊncia do texto, por que isso sim ficou lindo demais.

    Rompantes de amor e paixão sempre são bons de sentir.

    Beijo, Pâm!

    ResponderExcluir
  15. Me perdi em meio a palavras tão bonitas, numa sincronia perfeita. Sonho em um dia aproveitar uma noite como essa. Coisas improváveis nos fazem aproveitar mais! Texto maravilhoso.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. Amor de carnaval.
    É bom demaaais!

    ResponderExcluir
  17. ameei a história, até deixei um sorrizinho aparecer durante a leitura.
    com certeza voltarei mais aqui (:

    beijoo

    ResponderExcluir
  18. Me explica como consegue? HAHAHAHAHAHHAHA voce escreve muito bem.. fiquei presa na história o tempo todo, e nao via a hora de saber o que iria acontecer.. muito lindo mesmo.
    Você descreveu maravilhosamente bem cada coisinha, cada detalhe.. adorei.
    amor de carnaval.. *-*
    ah que lindinho hahahah

    ResponderExcluir
  19. Tenso, intenso, apixonado... perfeito. Menina, quem gelou aqui fui eu... e cheiro no cangote, eu ia com tudo! rs
    Beijo beijo, valeuzão pela visita :)

    ResponderExcluir
  20. Olá! Com licença; sou Jeferson, um homem comum que gosta de escrever. Quando tenho um tempo saio em visitas a blogs, seguindo sempre a seta que aparece no auto da pagina inicial (próximo blog>>). Posso afirmar que é uma experiência “deliciante”.
    Quando encontro um blog bem legal como o seu eu posto um comentário e deixo o convite para que conheçam o http://jefhcardoso.blogspot.com . Recomendo em especial os poemas e os contos de minha sessão em preto e branco, que data de novembro de 2009.

    Parabéns por seu blog e desculpe a intromissão.
    Abraço: Jefhcardoso>>de blog em blog.

    ResponderExcluir
  21. Fico chateada que amores assim nunca aconteçam no inverno. =T

    ResponderExcluir