Não ela, não ele, não eu.

Não dá para jogar dama a três, nem xadrez. E uma vez, ouvi em algum seriado de TV que triângulos não eram legais, pois eles tem pontas e machucam as pessoas. Nunca gostei mesmo de geometria, o que me atraia na escola sempre foi literatura, lingüística. E talvez por isso eu seja tão sonhadora e quimérica.

Tudo é tão exato como um cálculo e não gosto de exatidão. Não gosto do “não eu”. Insisto em querer o “não ela”, mas também desejo o “não você”. Complicado. Nem me fale. Mas sabe, eu estive vendo as lianas, quero dizer, os cipós que insistem em entrelaçar as árvores. Elas germinam no solo, e durante toda sua vida mantêm-se enraizadas lá, quietas. Só que acho, meu bem, que é a solidão que faz precisarem se enroscar nos troncos de outras árvores e que o sol que elas buscam assemelha-se com o que buscamos em abraços: afeto, carinho.

Então isso te faz meu sol? Ou eu busco raios solares em você?

Tenho falado tantas coisas desconexas desde que descobri você dentro de mim. Embora já estivesse em meus pensamentos, mas não tão impregnado com uma liana que insiste em envolver a pobre planta. Não. Deixe-me apenas comparar-me com essa planta. Não. Não aceites a comparação tão a fundo, pois podes ver de outro modo. Como sufoco.

Entenda-me apenas como uma sementinha ou até mesmo essa plantinha que busca o sol para viver. Esqueça de tudo o que falei. Tudo parece sem nexo, bem. Deixe “eu”, busque ela, seja você.

Compar:

17 comentários

  1. Pam, sortudo do destinatário do teu amor. Caramba, haja sensibilidade!
    ;)


    beijos enormes.

    ResponderExcluir
  2. Pam, obrigada por tuas visitas e comentários em meu blog. Sinta-se a vontade por lá!
    Quanto ao seu texto, lindo!

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Somos todos um pouco liana. Vamos nos enroscando nas pessoas, em busca
    de sol (amor).

    ResponderExcluir
  4. Parei no três, imaginei um relalcionamento a três..
    Já tive tantos sem saber, já estive no meio do triângulo..


    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. no fundo a gente gosta, né? bem, pelo menos eu confesso q curto uma fossinha. he.

    bem-vinda ao meu blog, apareça mais e mais vezes!

    em tempo: cranberries, sem dúvida alguma.

    beijoca!

    ResponderExcluir
  6. Quanta delicadeza em suas palavras... nossa!!! Ai daquele que um dia te ferir... coitado deste.

    Beijos lindona!!!

    ResponderExcluir
  7. E no final todos somos um pouco "lianas". Bem verdade isso.

    ResponderExcluir
  8. De todos os que tu escreveu, os que mais gostei e que mais doeu.

    Lindo, lindo.

    ResponderExcluir
  9. Todos nos buscamos esse sol...
    quem sabe um dia né...
    o que eu seu é que o dono do seu amor e um cara de muita sorte...
    quem sabe um dia eu encontre tbm esse sol...
    BjO...
    Amu Tu pamzinha...

    ResponderExcluir
  10. Tantas nuvens e ainda vemos o sol nos olhos de alguém. E nos agarramos à essa réstia de luz com tanta vontade...

    ResponderExcluir
  11. Perfeeeeeeição! Ô rapaz, me ensina?rs
    É disso que eu sempre falo, essa mania de achar que os outros são sol, me faz procurar loucamente os raios solares. Nunca estão. :)

    AMEI.

    ResponderExcluir
  12. Também não gosto de triângulos e nem da exatidão dos cálculos. Prefiro a liberdade, mesmo estando junto a alguém. Que ele seja meu e fim.

    E isso me lembrou uma frase do Hélio Pellegrino que é bem assim:
    "O amor é o chão da liberdade"


    Beijo, Pâm!

    ResponderExcluir
  13. por vezes abdicar é vencer um jogo, de xadrez ou de vida.

    ResponderExcluir
  14. nem me fale em triângulos amorosos, eu sempre acabo sendo o elo mais fraco...
    =/


    beijos
    =*

    ResponderExcluir
  15. realmente, uma das pontas sempre sai ferida na historia :/

    ResponderExcluir
  16. Você está certa triângulos machucam,eee comoo...[rs]
    Meniinaa como pode uma pessoa ter esse dom de escrever palavras tão cativantes,só você mesmo...

    ResponderExcluir