Dia especial

15:33




►Leia ao som de Dia Especial, Tiago Iorc. ◄

A chuva de um verão caía lá fora assanhando um pouco do calor que me castigava. Não havia mais lágrimas, pois a tua voz mansinha - de quem come quieto - tratava de balbuciar algumas piadas sem graça. Em poucas horas eu soube dos teus empreendimentos, da tua mãe que mais parece dona Benta e de teus sonhos muitos que não cabem em tua cidade. A vida parecia menos dolorosa ao ouvir a tua voz me dizendo: "a vida é mesmo assim. Há dias em que a glória vem. Há dias que ela vai." De repente a gente vai percebendo o outro. E aos poucos me vi mergulhada na tua história. A tua vida para mim era mais interessante do que os episódios de investigação criminal que me rouba as tardes de domingo. 

Das lágrimas ao riso. 

Assim me vi naquele dia: chorosa e sem expectativas. É engraçado como as pessoas têm o poder de embonitar as nossas vidas mesmo sem querer. Aquele dia o meu céu cheio de nuvens e trovões fora se transformando azul brigadeiro. Tudo o que me doía já não era mais lembrado. Tudo porque tu sentou na calçada de minha vida e me ofereceu o ombro e um pouco do teu colo. Me afagou os cabelos e disse que nenhuma dor era eterna. Me fez acreditar - mesmo eu vacilando - que dias ruins também acabam e que até com a dor nós aprendemos a viver.

Tudo é ensinamento, lição. Tu me disse. 

E eu fechando os olhos e ouvidos só pensava: mais um otimista em minha vida. E tentava desvencilhar das tuas palavras precisas e, ao mesmo tempo, dolorosas. A vida havia te ensinado um bocado. Quase quatro décadas de vida. Diferença pouca em anos, diferença gritante em experiência. Tu era a vivência que, apesar de registrar em alguns textos, pouco tenho. Tu era a sabedoria que eu precisava naquele momento. Era o abraço de mãe que confortava um pequeno e o conselho de avó ao se despedir do neto que volta à casa de seus pais. Tu me foi - aquele dia - um pouco da esperança que a vida me roubara.

Do riso à gargalhada.

Sem nenhuma pretensão além de estar ali e fazer o bem. Sem nenhum outro objetivo a não ser estender a mão e me agasalhar. A vida é mesmo uma caixinha de surpresas. Neste mundo de meudeus onde todos buscam benefícios lá estava eu com milhões de questionamentos e indagações; e você cheio de paciência e conselhos a me dar. Aquele dia eu soube que, apesar de toda a dor que carregamos, há sempre uma lição a ser aprendida.

Das lágrimas ao riso. Do riso à gargalhada. Da gargalhada à mansidão. Da mansidão aos meus dias. 

Obrigada.




Você também pode gostar

0 comentários

@eupamelamarques

FANPAGE

DIREITOS AUTORAIS

Todos os textos publicados aqui neste blog são de minha autoria ou de autores convidados. As fotos e gifs foram retiradas de sites como Pinterest e Tumblr, sendo assim, para de fim direitos autorais, declaro que as imagens NÃO pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente comigo por meio do e-mail: adm.pamelamarques@gmail.com. Eu darei os devidos os devidos créditos.