Não rola viver de talvez!

17:43



Quem me dera se quando eu fechasse meus olhos, todos os meus sonhos se tornassem realidade. Acho que já idealizei a pessoa na minha mente quinhentas vezes ou talvez mais. Essa coisa de ficar esperando, remoendo se a bendita pessoa não chega cria em nós uma danada de uma cobrança diária. Até chegar o momento que achamos que vamos pirar.
O cara do ônibus que não reparou como eu o olhava, o caixa do banco que não notou que eu faço hora só para que ele me atenda, aquele carinha que passou por mim na rua e era extremamente cheiroso, o carinha que eu beijei na balada e que nem se quer pegou meu telefone, tantos talvez, tantos que poderiam ter sido, que chega uma hora que a gente pira.
Temos a mania de depositar tanta fé nesse “ter alguém”, que em um determinando momento da vida, esquecemos de nós, de nos amar, e de ser quem somos. Não dá para viver esperando o outro chegar, porque aqui - na sinceridade - não sabemos o momento exato que ele chegará, E, pode ser que ele não chegue.
E, algumas vezes, depositamos tanto a nossa esperança em alguém que passa na nossa vida, que quando essa pessoa vai embora, nos fechamos novamente no nosso mundo. E ficamos ali, naquele casulo só nosso, numerando os nossos defeitos e rezando para quem quer que seja ou a hora que seja, que a próxima pessoa seja a certa.
Por isso, viva, sorria, chore e se permita, a vida é curta demais para viver no que não aconteceu, quando o “alguém chegar”, você vai ser capaz de entender, que simplesmente não era pra ter acontecido antes.


Você também pode gostar

0 comentários

@eupamelamarques

FANPAGE

DIREITOS AUTORAIS

Todos os textos publicados aqui neste blog são de minha autoria ou de autores convidados. As fotos e gifs foram retiradas de sites como Pinterest e Tumblr, sendo assim, para de fim direitos autorais, declaro que as imagens NÃO pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente comigo por meio do e-mail: adm.pamelamarques@gmail.com. Eu darei os devidos os devidos créditos.