Da saudade.

Involuntária foi a forma que nasceu dentro dela o sentimento. Da maneira mais insuspeitada possível. Por que ela não poderia simplesmente ter ignorado a presença dele naqueles dias? Por que ela simplesmente não podia ter tapado os ouvidos aos seus elogios doces e apetecíveis aos diabéticos? Por quê? Porque ela se achava perspicaz o suficiente para entrar ali e sair sem olhar para trás. Ledo engano. Ela que sempre fora dominada pelas emoções, se achou esperta demais por ter mandado o amor para a caixa prego, eliminando-o de suas necessidades “fisiológicas”. Sim, fisiológicas, porque ela acreditava que o amor se enquadrava nessa necessidade e ria de Maslow que colocava o sexo antecedendo “matando-a” de ódio.


Ela não poderia simplesmente ignorar o painel que piscava em neon a palavra: perigo. Não, ela não poderia. Porque todos sabem que ela é teimosa, que ela queria provar para si mesma que conseguiria entrar e sair daquele campo minado sem nenhum arranhou. Mas que tola! Ela não ouviu a voz que gritava em seu interior para que ela não atravessasse a ponte, para que ela não estendesse a mão, para que ela não conversasse com ele tão de perto, para que ela não deixasse tocar a sua mão, para que ela não (...)


E hoje ela espera ansiosamente os seus sms, as suas mensagens que lhe trazem felicidade e afastam qualquer tristeza, os seus apelidos que ela detestaria ouvir repetidamente, mas como é dito por ele: ela ADORA. Os planos impossíveis que vezenquando eles fazem, a forma de como ele lembra cada detalhe que viveram, a voz dele quando repete as coisas que ela falou deixando-a abismada como ele guarda até as vírgulas que ela “dissera”, o olhar dele dentro do dela, o coração no ouvido, o primeiro beijo.


Tudo isso ela ainda espera.
Na sua desesperança.

Compar:

4 comentários

  1. Tudo na vida vira saudade e esperança, aprendemos a conviver com eles, mas nunca a se acostumar com a sensação no nosso peito.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Ela não pode perder a esperança, mas um dia pode-se cansar .

    ResponderExcluir
  3. Docinho.

    Muitas vezes nossas vozes interiores nos dão 'n' sinais de como evitar algumas coisas e na maioria das vezes não ouvimos ou estamos ocupados demais e não percebemos que ela existe.

    Gostei. Muito reflexivo seu conto.

    ResponderExcluir