O segredo é não 'embonitar', bonito. E o meu coração repete diversas vezes cá dentro: - calma, não tenha pressa. E eu venho lutando com força para não colocar os carros na frente dos bois, é porque você ainda não sabe, mas eu sou muito impulsiva. Sinto tudo com muita intensidade e com vontade. E isso é sem demora, entende? Eu quero o agora, eu sonho muito com o amanhã e acho que isso pode até ser um defeito meu como ser humano, mas uma qualidade como poetisa que insisto em ser.

A cada dia que passa os teus olhos me convidam a adentrar o teu coração. E tu não sabes como me dá medo toda essa vontade de ser, estar e ficar com você. É que tu não compreendes ainda o quanto consegues deixar-me desnorteada com esses teus olhos cor de mel, que insistem em esverdear vezenquando, que insistem em me afogar a cada instante. E eu vou devaneando aqui como será o amanhã quando eu vir o teu sorriso largo e teus olhos rasos de encontro aos meus. É que, talvez, não tenhas percebido o quão nervosa me deixas com as tuas tentações voltadas para mim, a minha falta de jeito quando tu vens puxar conversa.

Tu não sabes.

E eu vou me perdendo em você, mesmo em meio aos hardwares e softwares da vida e até mesmo nessas equações e combinações que insistem me atormentar. É que tu me vens tão intensamente, principalmente nas aulas de trigonometria e fico tentando somar sempre a gente, multiplicar, entende? É que eu não imaginava que esse sentimento tão adormecido pelos anos, fosse reacender logo agora, anos depois. Eu te quero, doce. Como a lua anseia banhar-se no mar em uma noite quieta e tranquila. Sereno. É assim que eu te quero. Com toda essa tua diversão, com os teus defeitos e com as tuas vontade.

E que eu seja vontade - vontade tua, e que tu sejas para mim a doçura que necessitava para adoçar os meus dias. Quero-te quieto, manso, presente e envolto em meus braços.