Abandonei um pouco a essência de escrever sobre o amor. Um amigo disse: "o amor é para os fracos." Não concordei no exato momento, mas ando tão cética que essa frase tornou-se bordão para mim e se dirigisse um caminhão estaria no parachoque. Eu estou cansada de levar porrada na "boca do estômago" do amor, ando sem saco para toda essa pieguice que eu sempre gostei. E não sei se é só uma fase, a primeira vez que parei de escrever foi por causa de dor e quando voltei foi por um amor platônico que me rendeu vários textos e uma amizade infinita hoje, só que isso cansa. Amar, amar em palavras e não receber bosta nenhuma em troca. Ando não fazendo jus ao meu apelido de Mel e nem me importo. Não importo em ser antipática, seca e afins. E não me importo mesmo que falem sobre isso.

Cansei de amar sozinha todo o mundo.

Eu continuo escrevendo, ou melhor, ando compondo algumas canções Àquele que é Único na minha vida. É, uma surpresa para quem sabia que eu era apenas uma pretensa escritora, eu também sou uma pretensa musicista. Sim, porque hoje eu só estudo música. Uma das minhas maiores paixões. E acho que somente ela consegue preencher o vazio e estancar o sangramento que há dentro de mim por ora.

O post é desabafo mesmo.
Só quero gritar por mundo ouvir: QUERO QUE O AMOR SE EXPLODA LONGE DE MIM.