Precisamos mais que os minutos que nos são concedidos a cada noite. Talvez, meu bem – não saibamos o quanto já exista de cada um dentro do outro, no coração. E espero que não nos ocupemos demasiadamente com vírgulas e hífens que insistem em rondar esta relação. É que você realmente tem razão sobre o vinco que se faz em minha testa cada vez que me contrarias, que o sorriso me é largo deveras quando insistes nas tuas palhaçadas, que as mensagens altas horas da madrugada, apesar de acordar-me, arranca-me suspiros muitos.
E desde que decidimos ser assim, sem reservas - apenas ser um no outro. Percebi que qualquer estação do ano será primavera e mesmo que a chuva caia ferozmente lá fora, conseguirei pintar um sol a cada sorriso teu. É que me tens, compreendes?

Não importa, porém, que chovas lá fora. Desde que decidas estender-me a mão como tu fazes agora.

Acho que a programação voltou ao normal agora.