Há quem confundisse minha personalidade forte com braveza. Nunca fui daquelas mocinhas que acreditava em tudo que diziam, que se calava para qualquer um colocando o rabinho entre as pernas e de cabeça baixa ia embora. Sempre fui mulher de gênio forte, mulher que quebra o pau mesmo quando precisa, que dá soco na mesa, que grita mais alto e que encara o desacato com olho no olho.

Sou daquelas que se precisar pega boi à unha com sangue nos olhos. Mas no fundo, no fundo, o coração é de mocinha, viu? Não é que eu mudei. É que eu cansei de bater de frente, cansei de tentar administrar os vários tipos de mulheres que tenho aqui dentro e decidi ser mais gentil comigo mesma. Chega uma hora em que o amor-próprio grita mais alto e a maturidade nos ensina que trabalhar para ser alguém melhor faz um bem danado, sabe?

Não desejo ser melhor para ninguém, quero ser melhor pra mim, quero poder olhar no espelho e dizer "PQP"! Nunca imaginei que esse tão famoso mulherão da porra estivesse escondida em algum lugar aqui dentro". Tô querendo conectar meu coração com a minha mente a ponto de poder dominar a fera, entende? Acalmar meus demônios que querem passear sempre fora de mim, mesmo quando eu não permito. Tô querendo entrar em uma discussão, vencer no olhar e em pensamentos dizer: "não, isso não vale a pena, porque sou muito melhor que qualquer desprazer que queira tirar a minha paz" Mas tudo isso por mim. Por ter entendido que o que realmente importa nesse momento é a minha paz de espírito. 

Quero ter cada vez mais certeza que a felicidade consiste também em fazer o outro feliz, sem maldade e sem máscaras aparentes. Ando mesmo é querendo cada vez mais dar férias à minha alma, e rezo para que nada e nem ninguém nesse mundo consiga roubar esse estado de paz e de graça em que eu me encontro agora. Hoje me visto de camaleão e mudo minhas cores, hoje bato de frente com o que vier, só que com elegância e maturidade. Muitas coisas continuam iguais, outras mudaram muito por aqui. Só não se esqueça: de boba não tenho nada, o coração é de mocinha, mas ainda existe o tic tac de uma bomba relógio aqui dentro.