Quanta saudade cabe em um olhar

16:01


Ao amigo Charles J. Bravo.
Por ter me dado hoje – em um dia tão cinza –
 o vigor necessário para continuar.




Acontece que saudade não é coisa que se mede com fita métrica. Mas, conseguimos entender a sua dimensão em um abraço guardado em nossas memórias. Meu coração relembra – feito uma película cinematográfica -, o abraço caloroso e os olhos que anunciavam uma tempestade. Ele abraçando-me chorou sobre os meus ombros e sem esperar apenas acolhi. Até que a emoção transbordasse e inundasse o meu coração também. Ele trouxera do norte a docilidade que o centro-oeste desconhecia. Conquistou e roubou para si metade do meu coração.

Quanta saudade cabe em um olhar? Cabe a conversa de uma tarde inteira e confissões meio adolescentes. Cabe a história de uma vida inteira de decisões e decepções. Cabe também um adeus (não dado) aos pais em uma pequena cidade interiorana. Cabe a saudade de um amigo que partiu sem ao menos dizer adeus e que resta apenas a saudade em fotos na web. Cabe o olhar da menina que se apaixonada a cada palavra dita. Cabe a risada dos amigos rindo por ela não comer alga marinha. Cabe um lanche com esfinhas e batata frita sorrindo com a irmã da moça. Cabe os desejos de conhecer várias pessoas pelo Brasil e roubar um pouco de si a cada despedida.

E algumas pessoas não conseguem definir a palavra saudade. Ela é desenhada diante de nossos olhos a cada ação, a cada palavra dita e levada pelo vento. A minha saudade hoje é de um cara que tem o coração mais bonito que já vi. De um rapaz que merece ter a vida mansa e docinha só pelo fato de existir. A minha saudade tem nome é mora em Porto Velho. Essa saudade esteve sentada comigo por alguns minutos no ônibus da W3 Sul em direção a Rodoviária do Plano Piloto. Essa saudade ria descontroladamente, se fazia de esnobe para me arrancar sorrisos e ficava embasbacada com a falta de educação de alguns ‘brasilienses’.


Hoje essa mesma saudade me enviou um e-mail quilométrico que me arrancou lágrimas e um sorriso de orelha a orelha. Porque meu coração tem tentado caminhar nos últimos dias, mas tem doído muito. Eu reconheci o amor naquele rapaz e sei que ele reconheceu em mim. A amizade que é o amor que jamais morrerá. E hoje, ansiosa, eu aguardo pelo retorno e digo: “meu coração é porto-seguro, morada certa e casa de veraneio caso você queira voltar.”

Você também pode gostar

3 comentários

FANPAGE

@igpamelamarques


DIREITOS AUTORAIS

Todos os textos publicados aqui neste blog são de minha autoria ou de autores convidados. As fotos e gifs foram retiradas de sites como Pinterest e Tumblr, sendo assim, para de fim direitos autorais, declaro que as imagens NÃO pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente comigo por meio do e-mail: adm.pamelamarques@gmail.com. Eu darei os devidos os devidos créditos.