É o cheiro da saudade que está impregnado em mim. Aquele que só quem viveu consegue distinguir. É um cheiro que nos entorpece, deixa boba e nos faz viajar em devaneios fantásticos. Descrever o cheiro que a saudade tem não é fácil, porque requer uma minuciosidade que só quem viveu consegue entender. Embora seja difícil tentarei trazê-los para dentro de minhas lembranças.

Doce é o cheiro da infância e toda as brincadeiras vividas nela. O cheiro que eu sentia enquanto sentada nos degraus da escada ouvia histórias de princesas que eram resgatadas por seus príncipes, o mesmo que sentia quando corria gritando apavorada por ser perserguida por "vampiros" ou quando comia escondida com os primos - cúmplices - leite em pó com farinha e açúcar. Devo confessar que esse é o cheiro que me arranca mais lágrimas, porque me remete a um pedaço da vida que mantenho viva dentro de mim.

Há também um cheiro floral que me traz a mente olhos castanhos escuros. Aquele que me esperava todas as noites ás 20h na esquina e avisa-me sua chegada com um assovio fino. Aquele que me ensinou a torcer e gostar de futebol, aquele que me ensinou o que era amar e sentir ciúmes e que mesmo não compreendendo entrou e saiu da minha vida apenas com um objetivo: me ajudar a crescer.

E por último: um cheiro amadeirado. Não poderia jamais esquecê-lo, afinal ele me segue por anos. E sim, eu tenho uma predileção por esse. Porque é o cheiro da pessoa que trago em meu coração juntamente com os beijos e abraços que insisto em cultivar dentro de mim. Sentir esse perfume perto de mim é necessário. Porque me faz acreditar que o amor já esteve verdadeiramente dentro de mim.