Um trem chamado saudade.



Ela se materializa nas fotos e em cadernos de poesia guardados debaixo de minha cama. Enquanto eu te vejo pequeno e com sardas, os meus olhos se enchem de lágrimas, tudo é salgado em mim. Sonho há tempos e, para ser mais exata desde que você se foi, com o sabor de tê-lo novamente ao meu lado. Saudade de comprar pirulito de coca-cola e sentarmos em frente a calçada da escola, de quando você estendia as mãos para que eu pudesse atravessar a rua e até mesmo de você me enchendo a paciência por eu não gostar de pagode. Era tudo tão feliz, sabe? Aquela cumplicidade que tínhamos só de olhar o outro, nossos olhos pareciam janelas e podíamos, com toda a certeza, enxergar através do outro. Saudade de quando você me abraçava de manhã, da sua implicância com o meu cigarro e até mesmo com a ameaça de contar aos meus pais. Que vontade de te dizer: "você salvou meu pulmão". Talvez um dia eu diga, enquanto isso queria só que soubesse, onde você estiver: ninguém jamais terá um terço do amor que dei a você.

Compar:

4 comentários

  1. Também acho essas coisas linda. A "sorte" de conhecer alguém que te faça amar dessa maneira.

    Bonito o texto.
    Boa noite. "_"

    ResponderExcluir
  2. Vim conhecer teu blog através do blog do Alexandre, e estou encantada com a tua escrita. Parabéns, já estou seguindo aqui e a página.

    Beijos.
    http://luzia-medeiros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Tão bonito e ao mesmo tempo tão triste... Amor assim, creio eu, não se repete.

    Beijo, Pâm!

    ResponderExcluir
  4. Parece até uma extensão do nosso conto meu anjo. A tua fluidez sentimental me deixa encantado. Apaixonante esse sentir, essa saudade, esse aperto que apetece e se faz íngreme e altivo dentro do coração...

    Perfeito meu anjo!!!

    Beijão!!

    Te adoro mocinha!!

    ;)

    ps: já tem textinho novo no meu blog também... ;)

    ResponderExcluir