Ela se materializa nas fotos e em cadernos de poesia guardados debaixo de minha cama. Enquanto eu te vejo pequeno e com sardas, os meus olhos se enchem de lágrimas, tudo é salgado em mim. Sonho há tempos e, para ser mais exata desde que você se foi, com o sabor de tê-lo novamente ao meu lado. Saudade de comprar pirulito de coca-cola e sentarmos em frente a calçada da escola, de quando você estendia as mãos para que eu pudesse atravessar a rua e até mesmo de você me enchendo a paciência por eu não gostar de pagode. Era tudo tão feliz, sabe? Aquela cumplicidade que tínhamos só de olhar o outro, nossos olhos pareciam janelas e podíamos, com toda a certeza, enxergar através do outro. Saudade de quando você me abraçava de manhã, da sua implicância com o meu cigarro e até mesmo com a ameaça de contar aos meus pais. Que vontade de te dizer: "você salvou meu pulmão". Talvez um dia eu diga, enquanto isso queria só que soubesse, onde você estiver: ninguém jamais terá um terço do amor que dei a você.